Mas afinal, o que significa Blockchain?

Por Carlos Alberto Jayme

A área de Tecnologia da Informação é recheada de siglas e muitas vezes as adotamos sem nos dar conta do que realmente significam. Cada vez que ouço um novo termo procuro pesquisar e ao menos ter uma noção geral do que se trata. Ao longo de minha carreira me deparei com vários destes termos e consegui compreender facilmente os significados e possíveis desdobramentos.

No entanto, o conceito de Blockchain está exigindo um estudo e pesquisa maior de minha parte. Depois de ler alguns artigos, assistir alguns vídeos explicativos eu começo a compreender do que se trata e vou procurar explicar minha percepção nas próximas linhas.

Antes, eu gostaria de lembrar os primórdios das redes de computadores, o modelo OSI e suas 7 camadas, o protocolo TCP-IP e finalmente a World Wide Web, o que conhecemos hoje como Internet. A internet é intuitiva e fácil de compreender possibilitando sua adoção rápida e exponencial em nossas vidas. Na base da internet, no entanto, estavam estas importantes partes componentes como o protocolo TCP-IP. Não conseguíamos vislumbrar as aplicações que temos hoje antes da simplificação e transformação gerada pelo protocolo de hipertexto http, o que popularizou de fato a adoção da World Wide Web.

Depois destes estudos iniciais, começo a concluir que o Blockchain é uma destas partes componentes iniciais que causarão uma tremenda transformação com a construção de subsistemas, camadas superiores, frameworks e simplificações que popularizem o seu uso.

Mas afinal o que é o Blockchain? Pelo o que compreendi até agora, trata-se de uma plataforma composta por protocolos de troca de mensagens (blocos) encadeadas (chain) e com armazenamento distribuído em incontáveis computadores numa rede pública ou privada. Cada bloco tem um hash (uma “impressão digital”), que é armazenado no próximo bloco, fazendo um encadeamento de blocos (chain of blocks ou Blockchain).

O objetivo do Blockchain é diminuir a insegurança com transações digitais. Não penso que seja fácil hackear uma transação Blockchain, pois ao alterar um bloco, o hash mudaria e você teria que alterar todo o encadeamento nos inúmeros pontos da rede. No caso de hackeamento num bloco/ponto, outras tantas cópias deste mesmo bloco atestariam o contrário e o encadeamento (chain) seria quebrado. Além do que, tudo é rastreável, de onde veio, para onde foi e por quem foi realizada a transação…

Por ser uma arquitetura distribuída, confiável e com alta redundância, poderá ser aplicada para qualquer situação que envolva posse, compra, venda, registro de ativos (dinheiro, imóveis, propriedades) além de certificados, contratos e formas de identificação. No médio e longo prazo, poderá representar uma tecnologia disruptiva que afete diretamente entidades com controle centralizado como bancos e cartórios.

A grande aposta do Blockchain é substituir entidades centrais de autorização de transações, permitindo assim uma validação distribuída e redundante.

O Blockchain em suma é o fundamento tecnológico onde várias destas novas aplicações serão construídas, como já é o caso existente da moeda digital Bitcoin.

Posted in News.